Seja bem-vindo. Hoje é
"ALEA JACTA EST" (A SORTE ESTÁ LANÇADA) - JÚLIO CESAR

7 de set de 2010

NERO, COISA DE LOUCO

Nero só chegou ao trono por causa de sua mãe, que fez e aconteceu para ver o único filho controlando o império. Nero nasceu com o nome Lucius Domitius Ahenobarbus, filho de Agripina com Gnaeus.
Sua mãe era irmã e amante do rei da época, Calígula, e usou seu poder para conspirar contra ele. Calígula descobriu tudo e despachou Agripina para a ilha de Sicília. Enquanto ela estava afastada, seu marido morreu por causa de um edema e o grande imperador foi assassinado.

Agripina - Mãe de Nero

Naquela época, Lucius tinha 2 anos de idade. Quem assumiu o poder foi Tiberius Claudius, também sobrinho de Calígula. Com esses acontecimentos Agripina voltou a Roma e se casou com o milionário Gaius Sallustious Passienus Crispus. Aí ela o envenenou e ficou com o dinheiro e começou a namorar o próprio imperador Claudius, fazendo com que a rainha Messalina fosse condenada a morte por suspeita de traição. Com o caminho livre, Agripina casou com o imperador e se tornou rainha.
IMPERADOR ADOTIVO

Mais do que filho adotivo do imperador, Nero se tornou um xodó do imperador. Ele adiantou a maioridade do rapaz para 14 anos e o casou com sua filha Octavia. Os planos de Agripina aos poucos foram dando certo e no dia 13 de outubro do ano 54, Claudius morreu e Nero, com apenas 17 anos, se tornou o quinto César, na verdade Agripina assassinou o marido para acelerar a subida do filho ao poder. Ela queria usar Nero para governar.
E, realmente, nos primeiros cinco anos de reinado, Nero não deu palpites nos assuntos administrativos. Preferia ocupar o tempo entre corridas de bigas e orgias para lá de animadas.
Os problemas começaram quando Nero se apaixonou pela escrava Claudia Acte e sua mãe não concordou. Contra todas as expectativas, rompeu com a mãe, incorporou o titulo de Augusto e resolveu mandar no governo. Agripina tentou reagir, e começou a conspirar contra Nero tentando colocar Britannicus (filho legitimo do imperador, que era mais jovem do que Nero, seu irmão adotivo) no poder, porém, Nero envenenou o irmão durante um jantar.
Depois o imperador virou Roma de cabeça para baixo.
Em 59, Nero deixou os súditos de cabelos em pé ao planejar a morte da própria mãe. E olha que não foi fácil: Agripina só morreu depois de cinco tentativas. Na última, foi esfaqueada e não resistiu.

Nero

FOGO


Em julho de 64, Roma pegou fogo. Todo mundo tinha certeza de que Nero era o culpado, apesar de até hoje ninguém ter conseguido provar o envolvimento direto do imperador.


O fato é que Nero aproveitou o incêndio para construir palácios e aumentar o ataque aos cristãos. Sua imagem pública nunca mais se recuperou.


Suspeito de incendiar a cidade, Nero botou a culpa nos cristãos. Depois, se dedicou a destruir essa nova seita. Um de seus castigos favoritos era jogar os fiéis aos leões na arena, onde eles eram destroçados. O povão adorava. Outro costume do imperador era queimar cristãos vivos para iluminar os jardins de seu palácio.
Entre os religiosos que ele mandou matar estão dois dos homens mais importantes da historia do cristianismo: São Pedro e São Paulo.
No ano 67, depois de voltar de uma turnê artística pela Grécia, o imperador encontrou uma oposição política bem organizada. No ano seguinte, foi deposto pelo Senado e condenado a morte. Em vez de se entregar, pediu que um de seus funcionários rasgasse sua garganta com uma adaga. Segundos antes de morrer, Nero declarou: “o mundo acaba de perder um grande artista”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário